Transporte multimodal e intermodal: entenda as maiores diferenças

Transporte multimodal e intermodal são conceitos criados por especialistas para ajudar empresas e profissionais do setor logístico a superarem os inúmeros desafios impostos no dia a dia — principalmente no Brasil.

Embora o segmento logístico tenha grande importância no país, as melhorias não acompanham o ritmo de trabalho. Por isso, os percalços são numerosos, como estradas defeituosas, pouco investimento do governo nos modais ferroviário e marítimo, alta burocracia e insegurança.

Ainda que não resolvam todos os problemas, os dois modelos operacionais minimizam os danos e conseguem melhorar alguns fatores em um trabalho logístico. Quer entender melhor como cada um funciona? Continue a leitura!

O que é o transporte multimodal?

Utilizado bastante no Brasil em negociações e movimentações de commodities, como café, soja e petróleo, o deslocamento multimodal consiste no uso de diferentes meios dentro de uma mesma operação.

Ou seja, vários veículos podem ser utilizados para garantir que a frota saia do seu ponto de origem e chegue ao destino final. Entre os diferentes equipamentos que são utilizados nesse tipo de operação, estão os caminhões, navios e aviões.

Outra característica importante nesse tipo de deslocamento é a unificação do conhecimento de carga. Independentemente do número de veículos, o conhecimento só é emitido uma vez. Para garantir que tudo funcione dentro do esperado, o Operador de Transporte Multimodal (OTM) é contratado como o principal responsável.

Esse é o profissional que lida diretamente com os transportadores a fim de garantir o sucesso da operação. Para exercer a sua função, ele precisa:

  • emitir o Conhecimento de Transporte Multimodal de Cargas (CTMC) referente a operação;
  • ter um registro na Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT);
  • apresentar um contrato válido de prestação de serviços.

Embora o conhecimento seja único, esse modelo de transportação demanda outros processos que podem encarecer a operação, como unitização, coleta e transbordo das cargas.

O que é o transporte intermodal?

No intermodal também são utilizados tipos diferentes de veículos para a movimentação da mercadoria. Contudo, aqui, não há uma emissão única de documento, pois toda vez que a carga muda de veículo, um novo contrato é feito e documentos próprios são gerados.

Em resumo, não há participação de um Operador de Transporte Multimodal (OTM). Com isso, a responsabilidade da frota acaba sendo dividida por todos os transportadores. No entanto, ainda que as mudanças sejam constantes, a acomodação e a tração da carga permanecem inalteradas, garantindo maior segurança e conservação do produto transportado.

Então, quais as diferenças essas duas categorias? 

Ambas as operações têm o objetivo de otimizar as ações logísticas de uma empresa, minimizando os riscos e os custos. Embora tenham algumas semelhanças, os dois apresentam importantes diferenças. Entenda algumas delas, a seguir!

Forma de contrato

A formalização talvez seja o exemplo mais claro de suas diferenças. No primeiro modelo operacional, é criado apenas um contrato direto com o OTM, deixando-o responsável por futuras negociações para garantir o trajeto, que permanece vigente até o fim do trajeto.

Já no outro sistema, o cenário muda por completo. Sai à figura exclusiva do OTM e entram diferentes contratos. Toda vez que a mercadoria precisa trocar de modal, um novo acordo é firmado junto com documentos correspondentes.

Documentação

Como explicado, na primeira versão, a emissão de documentos só acontece uma vez, seja o conhecimento de carga ou o contrato operacional. Enquanto no intermodal, o embarcador precisa trabalhar com diferentes documentos, exigindo maior cuidado e organização para não ter problemas durante o processo.

Responsabilidades

O OTM é o principal responsável dentro do modelo com vários modais, tendo como função principal assegurar que os produtos cheguem corretamente ao destino final. Na intermodalidade, a cada novo acordo, há uma mudança de responsabilidade. Sempre que novos documentos são emitidos, o transportador em questão se torna o responsável pelo deslocamento.

Transporte multimodal e intermodal são conceitos desenvolvidos para melhorar a operação logística de acordo com as necessidades das empresas. Cada modalidade apresenta vantagens e desvantagens. Por isso, para garantir bons resultados, independentemente do sistema escolhido, é essencial contar com a participação tecnológica, por exemplo, ferramentas como TMS e WMS.

Gostou do artigo? Ficou com alguma dúvida sobre o assunto? Então, deixe a sua opinião nos comentários.